Olá, espero que te encontres bem.

Se andas mais presente nas redes sociais, já deves ter reparado em várias publicações sobre os acontecimentos astrológicos mais recentes: vários planetas retrógrados, o mercúrio também a ficar retrógrado, a Lua Nova de dia 21 que será um eclipse e o Verão que chega já no próximo dia 20.

Muito movimento, muitas mudanças, muitas transições… A que nos convidam estes tempos?

Para tentar responder a essa pergunta, vamos mergulhar aqui sobre os movimentos principais desta semana, no sentido de te ajudar a clarificar e a orientar para estes tempos.

Vamos ver as propostas, os convites, o olhar que nos é pedido, as portas que nos são abertas.

Mercúrio Retrógrado em Caranguejo

Mercúrio vai estar em movimento de retrogradação no signo de Caranguejo entre os dias 18 de junho e 12 de julho. Para quem sabe olhar o seu mapa astral, este movimento irá acontecer entre os graus 05º e 14º de Caranguejo, caso tenhas planetas entre estes graus, neste signo, e/ou nos signos de Capricórnio, Carneiro e Balança, encontras aí mais informação sobre os temas que poderás estar a revisar na tua vida durante as próximas 3 semanas.

Qualquer planeta em movimento retrógrado pede-nos revisão. Revisão das áreas de vida e dos temas que esse planeta pode estar a tocar e a representar. Revisão para que possamos transformar, ver de outras perspetivas, reavaliar e refazer as coisas de uma nova forma.

Saber parar é importante. Não vejo nada de negativo em fases de planetas retrógrados. Precisamos abrandar o ritmo para reconhecer o ponto da jornada em que estamos e tomar decisões com nova informação e com mais consciência.

Porque é que parar tem de ser mau? Porque é que vemos os contratempos como algo negativo? Pode ser altura de resignificar estes conceitos e vermos a oportunidade no meio daquilo que parece caos e confusão.

Planetas retrógrados são a oportunidade de reavaliar, revisar, refazer, reestruturar, renovar, repensar, resolver, reestruturar… todos os “res” da vida!

Se a vida for só andar para a frente, sem fazermos pausas para olhar para trás e em redor, então alguma coisa vai ser negligenciada, algo importante não vai ser visto nem valorizado. Vê os planetas retrógrados como uma grande oportunidade de ver o que não está a ser visto, para que possa ser resolvido e integrado.

Esta retrogradação em Caranguejo, sendo que Mercúrio representa a comunicação e o pensamento, e Caranguejo representa as emoções, o sentir, o nutrir, e as memórias. Pode ser uma fase de revisitar memórias antigas… Revisitar para encontrar novas respostas, ter a oportunidade de curar, de integrar e seguir em frente. É também a oportunidade de nos voltarmos para dentro e comunicarmos com o nosso interior, escutar o coração, escutar as necessidades da Alma, percecionarmos o que realmente precisamos para nos nutrirmos, para nos curarmos. Darmos a nós mesmos o que realmente necessitamos. Autocuidado – selfcare.

Pode acontecer também darmos por nós a resolver coisas do passado, coisas de família, coisas da infância… curar velhas feridas, ter tomadas de consciência sobre antigos acontecimentos, ver verdades escondidas. Podemos encontrar sombras e dores que ficaram por revelar e reconhecer… Tudo o que for mais desafiante não tem que ser “mau”, essa visão depende da nossa escolha perante a situação, podemos ver os desafios trazidos nesta fase como a oportunidade de curarmos o que ainda precisa de Amor.

O Amor é a cura. E o um dos maiores gestos de amor que podemos ter, é o saber cuidar, o saber nutrir, o saber abraçar.

As comunicações que podem agora ficar difíceis, são o que precisamos para ver onde é necessário mudar a nossa forma de comunicar. A comunicação pode ser mais vivida através das emoções inconscientes e isso toldar-nos o pensamento. Então, nessa altura, podemos parar, respirar e observar.

Estou a responder a partir de um lugar emocional de dor, de zanga, de raiva, de mágoa ou de tristeza? Se sim, então, preciso acolher essa parte de mim que está ferida, para que o Amor passe a ser a resposta.

Sinto-me a ser atacada(o), magoada(o) e incompreendida(o) pelos outros? Então paro, respiro e observo…. Reconheço essa minha parte ferida que se sente fragilizada perante determinadas pessoas e/ou circunstâncias, e dou-lhe o meu amor, a minha compaixão, a minha nutrição, o meu colo. E a resposta transforma-se em Amor.

Tudo isto pode ser “bom” ou “mau”, ou melhor, pode ser uma oportunidade aproveitada ou desperdiçada. É uma escolha de cada um de nós.

Aproveita esta fase para este encontro contigo e para desenvolveres ainda mais a expressão do Amor por ti e pela Vida, reconhecendo no outro que também ele tem as suas feridas, aproveitando o momento para elevar o teu pensamento e uni-lo com o teu sagrado coração.

Mercúrio retrógrado em Caranguejo é também a oportunidade para curarmos a nossa comunicação. Levarmos amor, compaixão, gentileza aos outros, através da forma como nos expressamos e comunicamos.

A ESCOLHA É TUA.

Queres “panicar” e culpar o mercúrio retrógrado durante as próximas 3 semanas?

Ou queres acolher o momento, aproveitar a onda, para escutares no silêncio as tuas reais necessidades e desenvolveres nesse lugar uma expressão mais amorosa perante ti, perante os outros e perante a vida?

Solstício de Verão

Esta semana temos também um dos eventos naturais mais importantes do ano – a entrada na segunda estação – O Solstício de Verão. Solstício que este ano vem acompanhado por uma potente Lua Nova em Caranguejo, uma Lua Nova de eclipse, o penúltimo eclipse da temporada de eclipses que ocorreram nos últimos 2 anos no eixo de Caranguejo-Capricórnio.

Os rituais de passagem das estações são uma prática muito antiga, identificada em várias culturas ao longo dos tempos… É muito interessante estudar sobre os diferentes ritos de passagem presentes em épocas diferentes da história da humanidade, vividos em culturas distintas e que aparentemente “não se cruzaram”, mas que têm tanto em comum.

Parece-me fácil compreender o culto em torno das estações, pois é a pura conexão aos ciclos da natureza. O ser humano no decurso do seu desenvolvimento começou por procurar referências e respostas à sua existência. Observar a natureza envolvente sempre foi um dos seus pontos de referência…. Começar por compreender o tempo através do dia e da noite, dos ciclos da lua, da mudança das estações… observando os céus e percebendo os posicionamentos celestes que indicavam estes movimentos e mudanças.

O ser humano percebeu como essa dança nos céus, observada a partir da Terra, influenciava o clima, a temperatura, a agricultura que possibilitava o acesso a alimentos essenciais e que deveriam ser plantados em determinadas alturas do ano, para depois serem colhidos e conservados noutras alturas. Temos uma relação íntima com a vida universal desde sempre

E por mais que nos tivéssemos afastado dessa verdade fundamental nestes anos de industrialização e computação, esta ligação continua viva, nunca morreu, “nós” (no geral), é que simplesmente já não prestamos atenção a ela, ficamos adormecidos no coração e presos na mente que quer controlar e compreender tudo de forma reta e linear. Em prol da “ciência” abandonámos a filosofia, e esquecemo-nos do quão ambas são essenciais e se relacionam entre si.

Esta compreensão antiga da relação da vida humana com a vida do planeta e universo, foi canalizada de alguma forma para as crenças, tradições e religiões que foram nascendo e se desenvolvendo… A Fé alimenta a Alma, a crença na ciclicidade da vida devolve esperança nos tempos sombrios, porque a Luz sempre retorna – e nos tempos antigos eles valorizavam esta observação e sabedoria – a repetição dos ciclos, a impermanência da vida. Essa conexão era celebrada, e os ritos de passagem representavam assim a simbologia desta ligação, onde se honrava a vida através deste reconhecimento.

Assim, desde há muito muito tempo, que nos mais variados lugares do planeta, nas alturas de Solstícios e Equinócios, rituais despontam em diferentes comunidades. Cada estação traz consigo uma simbologia própria. A Astrologia é também uma linguagem que nos ajuda a compreender melhor essa simbologia e relação íntima com a Vida Universal.

Mas vamos falar do Verão.

O Verão é o clímax do ciclo anual, é quando o Sol se encontra no ponto mais alto, é tempo de celebrar a Vida, de reconhecer todas as bênçãos, de sorrir, de dançar, de amar, de abraçar. É a estação das cores e da luz. Do dourado – do dourado do sagrado coração – a essência da nossa Alma, no reconhecimento da Estrela que cada um de nós É. É o honrar da vida de cada uma dessas estrelas que compõe a teia cósmica onde todos estamos conectados, onde nos transformamos em UM.

Nas Celebrações do Verão celebramos a VIDA. Agradecemos, honramos, abençoamos. E abrimos os braços à noite. É com a chegada do Verão que a chegada da sombra é anunciada. É no clímax que reconhecemos que a descida vai lentamente começar. Celebramos e preparamos o tempo, em que mais à frente, nos vamos encontrar com a escuridão.

Esta ciclicidade é a Vida. Acredito que o caminho de despertar e de construção da Nova Era que tanto se fala, passa por nos reconectarmos novamente aos ciclos, vivermos mais alinhados com a natureza, vermo-nos como parte do meio que nos envolve, enraizarmo-nos, integrarmos nesta dança cósmica, para que possamos despertar o nosso sagrado coração, sermos mais Amor, vivermos e expandirmos esse real Amor. Não estamos separados, mas sim intimamente todos ligados.

Este ano o Verão chega no dia 20 de junho pelas 22h44 (no fuso horário de Portugal). No hemisfério sul chega o Inverno. Nesse momento o sol entra no grau 0º00’ de Caranguejo, nas águas da grande Mãe, no útero onde a vida se forma. É tempo de cuidado e de nutrição, celebrando e agradecendo o dom da vida que nos é concedido.

Algumas dicas para o teu Ritual de Celebração do Verão:

  • Escreve uma carta onde agradeces por tudo aquilo pelo qual estás grata(o)
  • Faz uma Oração à Vida (escolhe uma ou cria a tua própria oração)
  • Escreve o teu Decreto à Vida – Com o que te comprometes a Ser e a Viver?
  • Celebra com alguém que ames
  • Abraça, sorri e ama
  • Dança em conjunto
  • Assiste ao nascer do Sol
  • Planta uma semente como símbolo no novo ciclo que inicias
  • Dá um mergulho no mar ou no rio
  • Veste cores quentes e vibrantes
  • Rodeia-te de flores
  • Partilha frutas da época na tua celebração
  • Escreve uma carta com as tuas intenções mais puras e verdadeiras

 

Eclipse Solar em Caranguejo

E este ano o Verão chega e quase em simultâneo temos a primeira Lua Nova desta estação, que acontece no mesmo grau  – 00º21’ de Caranguejo. Dessa forma podemos fazer o nosso ritual de verão conjunto com o momento da Lua Nova, esta que será já no dia 21 de junho, pelas 07h42 da manhã.

A Lua Nova também marca o início de um novo ciclo, e esta é a Lua Nova que inicia o Verão. Por ser eclipse, acaba por ser uma Lua mais potenciadora, a sua energia é mais forte. Sendo também o penúltimo eclipse neste eixo de Caranguejo-Capricórnio.

Por tudo isto, e porque mercúrio está também retrógrado, este é um bom ciclo para revermos os últimos dois anos, que integrações tivemos, que temas temos andado a trabalhar, por que experiências passámos? Perceber o que temos estado a aprender e o quão crescemos…. E com isso, que ciclo estamos agora a encerrar? O que em nós se está agora a consolidar ao nível da nossa cura, da nossa história, do nosso passado, da nossa família, da nossa criança interior?

A partir de que lugar estamos agora a entrar neste novo portal? De que forma vamos agora trilhar novos caminhos? Quem Sou Eu agora? O que Sou? O que manifesto? E o que quero Ser e manifestar daqui para a frente? Em que quero vibrar? A partir de que lugar em mim quero viver as minhas relações e as minhas experiências? Que novos ciclos se começam agora a desenhar?

Pelo que Agradeço e o que quero hoje Celebrar?

O nosso Ritual de Lua Nova pode passar por nos colocarmos estas questões. Conectarmo-nos ao essencial, ouvirmos o nosso coração e colocarmos isto cá fora, sob a forma escrita, sob a forma de intenção, através da oração e do nosso coração.

São tempos muito abençoados. Podem ser também tempos duros, onde sentimos muitas coisas ainda a ruir e a ceder. Que possamos ver a Luz nesses lugares e compreender que tudo o que se desmorona é porque tem de se desmoronar, que tudo aquilo que hoje é dor, amanhã é transformação que pode gerar alegria.

Nada é deixado ao acaso no universo. E nunca, mas mesmo nunca, a vida se vira contra nós. A Vida responde à nossa energia. A Vida mostra-nos o caminho. A Vida Ama-nos e quer o melhor para nós. Mesmo sem compreendermos, aquilo que é dor, no momento em que vem, também é o melhor para nós. E a dor é para atravessar e viver, é para encarar e aceitar… E também isso passará, basta olharmos as estrelas, olharmos a Lua, olharmos as estações e percebemos que a vida sempre é cíclica e que essa é a única certeza – que tudo é eternamente impermanente e está em constante transformação.

Aproveita a onda, aproveita o mergulho, aproveita o sopro e vai.

Neste momento tão especial e simbólico decidi realizar uma cerimónia online, num encontro de 3 horas, que irá acontecer no domingo, pelas 07h30 da manhã, para celebrarmos em grupo esta passagem e entrarmos de mãos dadas neste novo ciclo, sentindo esse apoio do coletivo e da Vida.

Se te quiseres juntar a nós acede através deste LINK. As inscrições para este encontro encerram dia 20 às 22:43. Aproveita este momento.

Em Amor,

Cláudia

 

%d bloggers like this: