A Gratidão Na Arte Do Desapego

Olá,

Espero que tenhas desfrutado da melhor maneira deste mês de agosto, que o tenhas vivido ao teu ritmo e em profundo respeito pelo teu sentir.

Foi realmente um mês de muito abrandamento, reflexão, contemplação e entrega ao momento presente… Neste processo onde chegámos a ter 7 planetas retrógrados em simultâneo, o sentimento de abrandar e de desacelerar foi amplamente sentido por muitas pessoas. É possível agora que já comeces a sentir um pouco mais de energia e motivação para o novo ciclo que está prestes a começar, é possível que algumas ideias já estejam no lugar, que alguns sentimentos já estejam mais claros, que algumas zangas e frustrações tenham encontrado expressão e tenham dado lugar à leveza…. é provável que nas nossas vidas muitas coisas se encaminhem agora para as soluções e para os novos começos.

Hoje a reflexão que te trago tem a ver com parte do processo que eu própria vivi este mês, e por sentir que te pode inspirar e ajudar, decidi escrever um pouco sobre esse tema – O Desapego.

O meu abrandamento, o contacto com o meu ritmo interior, a permissão que dei a mim mesma para viver mais a partir do meu sentir (tal como partilhei nos artigos anteriores) foram também trazidos, inicialmente, pela dificuldade que eu estava a sentir em deixar partir diversas situações na minha vida que começaram simplesmente a colapsar. Observei nestas últimas semanas como é tão desafiante largarmos o que não queremos largar, abrirmos mão daquilo que achamos que é o certo para nós, agarrarmo-nos às ideias e expetativas pré-concebidas na nossa mente em relação a algo, deixar ir aquilo que verdadeiramente amamos e em que acreditamos, é tão desafiante muitas vezes deixar de resistir à vida, tal como ela acontece.

Bom, eu andei aqui, neste lugar de resistência e de negação, nas últimas semanas, e a uma dada altura eu percebi, e senti dentro de mim, que mesmo “contra” todo o meu desejo e vontade eu tinha de abrir mão de uma vez por todas de tudo o que estava a cair, tinha de deixar ir, render-me, entregar-me à vida, confiar na vida, render-me plenamente aos planos divinos da vida para mim. Ter a fé inabalável que se a vida me pede para largar, então devo confiar e largar, confiando que apenas acontecerá o que for para o meu bem supremo, e que isso faz parte do cumprimento do meu propósito.

Eu costumo dizer que nem sempre temos aquilo que queremos, mas temos sempre aquilo que precisamos para continuar a crescer e a evoluir na direção da proposta da nossa alma para esta existência.

E portanto, mesmo sem compreender e sem saber porquê, é aceitar, abrir mão e confiar.

E mesmo tendo ganho esta consciência, a verdade é que era era tão difícil sentir o meu corpo, o meu ser e as minhas entranhas a entregarem-se completamente à rendição, aceitarem viver o desapego… Foi quando, após umas horas de choro e de dor, comecei espontaneamente a orar, a orar, a pedir ajuda à força maior, a Deus, ao universo, aos guias, a pedir ajuda para ser capaz de abrir mão, para ser capaz de parar de resistir à mudança e à transformação, para ser capaz de deixar ir aquilo que tanto amava… E porque apego também não é amor, pois se verdadeiramente amarmos algo, deixamos “isso” em liberdade.

Continuei ligada, pedi ajuda, liguei-me à fonte divina, senti-me mais serena ao fim de algum tempo e AGRADECI… E comecei a agradecer genuinamente por tudo na minha vida, e essencialmente por esta fase que estava a a encarar como tão dura e difícil mas que sei que é essencial ao meu processo, e agradeci por tudo o que me recordei e fez sentido naquele momento.

Nos dias seguintes continuei a agradecer, agradecia à vida, e também agradecia a mim, agradecia pela capacidade que eu sabia que tinha em desapegar-me, em libertar-me. Agradeço porque sinto que desapegar-me é o passaporte para uma nova liberdade e para novos começos, de coisas ainda mais fantásticas.

Eu sei na minha consciência a importância do desapego, o desapego é a imagem da própria vida. Quando aceitamos o desapego aprendemos a verdade sobre a impermanência da vida… Mesmo sabendo isto, eu tenho tido na minha vida dificuldade em vivê-lo na experiência. Sei, pelas pessoas que também acompanho, que este é um desafio muito comum. E não tem de haver culpas ou exigências a nós mesmos, fazê-mo-lo quando conseguirmos, quando chegar a hora, quando for o momento.

É importante termos compaixão por nós mesmos e aceitar as nossas próprias limitações e desafios.

Portanto, eu tenho consciência deste meu desafio, mas também tenho consciência de que vai doendo cada vez mais quanto mais eu me agarro, quanto menos largo mais doí. E eu senti que agora queria dar um salto de superação nesta questão… E continuei durante dias a agradecer, a fazer as minhas orações, a pedir para ser capaz de compreender e aceitar as orientações divinas para mim.

E há um dia que simplesmente acordo, sento-me para a minha meditação matinal e observo-me, e nesses instantes de observação, dentro de mim a aceitação tinha ocupado lugar, o desapego estava a acontecer, e a gratidão preenchia o meu peito de cada vez mais plenitude.

Sei que larguei muita bagagem por estas semanas, sei que me desapeguei de muita coisa, sei que ainda falta viver mais desapegos… e sei também que ao longo da vida existirão muitos mais. A diferença é que com as vivências vamos sabendo aceitar cada vez melhor o desapego, vamos aprendendo cada vez mais a confiar, a confiar no destino, a abrir mãos dos nossos apegos e expetativas, a aceitar fluir mais com a impermanência da vida, sabendo que tudo são ciclos, que o que morre sempre renasce, que o que chega um dia parte, que o que parte dá lugar a uma nova chegada, que a saída de um lugar permite-nos ir para um novo, e que tudo aquilo que morre é na verdade o nascimento para uma nova vida.

Então a minha sugestão é que reflitas sobre desapego na tua vida.

Como tens lidado com o desapego na tua vida?
Em que área da tua vida é mais difícil desapegares-te?
Como lidas com os processos de mudança na tua vida?
Abres facilmente mão dos teus apegos e expetativas?
Resistes a deixar ir as coisas, pessoas, empregos, atividades, relações que amas?

E agora deixo-te apenas em breves tópicos, os passos para a Arte de Bem Viver o Desapego:
 

  1.  Praticar a Aceitação constante do momento presente.
  2. Observar atentamente o meu mundo interior.
  3. Reconhecer os meus apegos, expetativas e ilusões
  4. Aceitar aquilo que é, tal como é
  5. Ter Fé que a vida me vai sempre trazer o melhor e tudo o que preciso
  6. Ver na dor da perda, do deixar ir, uma bênção de renovação
  7. Confiar que tudo o que vai embora é a morte necessária para que nasça o novo
  8. Amar-me, nutrir-me e respeitar-me
  9. Autocompaixão – aceitar se não consigo desapegar-me ainda
  10. Agradecer, agradecer, agradecer – de coração e em verdade – Praticar a Gratidão
  11. Deixar fluir, confiando
  12. Continuar confiando e finalmente Render-me e Entregar-me ao que É

O fundamental pode ser compreendermos que realmente o desapego é um aliado nosso, quem vive mais em desapego é mais livre, pois aceita com maior facilidade o momento presente. E desapego não significa que deixamos de gostar das pessoas sou das coisas, não significa que não vamos querer ter junto de nós aquilo que mais amamos e nos dá prazer. Desapego é aceitar que a forma das coisas não é permanente, que as coisas mudam e alteram-se constantemente. E quanto menos eu resistir a essas mudanças e adaptações da própria vida, mais feliz vou ser, porque vivo com mais leveza, pois sou capaz de aceitar o que a vida me convida a viver a cada momento.

Outro grande segredo para viver bem o desapego é não querer respostas, é não tentar interpretar tudo, é deixar isso entregue ao divino, nós não precisamos compreender nada, nós só precisamos aceitar, fluir e seguir em frente vivendo em cada vez mais harmonia connosco mesmos.

O meu processo doloroso de desapego trouxe-me então grandes bênçãos: aprendizagens, leveza, liberdade, aceitação e novas oportunidades. Tudo aquilo que se foi e que se fechou deu lugar a novos nascimentos e a novas portas que se abriram. Neste momento observo com curiosidade tudo o que está a desabrochar dentro de mim e em meu redor.

Algumas criatividades profissionais começaram já a brotar, e portanto, finalizo este meu contacto, partilhando contigo 2 eventos que vou ter já no final desta semana/ inicio da próxima, e um curso novo que estou agora a lançar sobre como vivermos alinhados com o nosso propósito de vida. Convido-te a que espreites, e se sentires que te posso ajudar de alguma forma entra em contacto comigo.

Tenho também ainda algumas vagas para consultas de astrologia em setembro. Este mês estou a dar consultas às quartas-feiras, no Espaço Amar, em Lisboa. Online também dou para qualquer parte do mundo.
VIVENDO OS CICLOS – LUA NOVA EM VIRGEM – DIAS 09 E 10 DE SETEMBRO

Mais um encontro lunar, desta vez com a Lua Nova em Virgem, que nos fala de hábitos e rotinas, saúde, ordem, organização, trabalho, método, eficiência, planeamento, análise e perfecionismo.

Virgem relembra-nos onde podemos dar o melhor de nós ao serviço da nossa vida e ao serviço dos outros. É um dos signos da cura, da vontade em sermos úteis e em contribuirmos para o bem estar daqueles e daquilo que nos envolve.

Com estes encontros proponho que aproveites a energia dispensada pelos ciclos lunares, de forma a cocriares, mais ativa e criativamente, o que desejas ver nascer na tua vida. Uma proposta que pode contribuir para o teu desenvolvimento, num caminho para desenvolveres o teu poder pessoal e a tua verdade, ajudando-te a fazer escolhas mais conscientes para a tua vida.

Encontro Presencial: Domingo, 09 de Setembro de 2018 no Espaço Amar em Lisboa, das 09h30 às 12h30

Encontro Online: 2ª feira, 10 de Setembro de 2018, para qualquer parte do mundo, das 19h30 às 22h00

Valores:

  • Online: 25 euros
  • Presencial: 30 euros
  • Inscrições a pares (2 pessoas) têm um desconto de 10% sobre o valor de cada inscrição

Para te inscreveres envia-me email para: claudiamachado@claudiamachado.com

WORKSHOP CONSTELAÇÕES SISTÉMICAS E FAMILIARES – 09 SETEMBRO ÀS 14H00

Uma oportunidade de cura através do fluxo Amor.

No reconhecimento da nossa própria vulnerabilidade podemos encontrar as forças, os recursos e as vias de cura inesgotáveis que a vida coloca ao nosso dispor, dentro e fora de nós.

O trabalho através das constelações é uma excelente via de cura, trazendo-nos a oportunidade de criar um olhar sobre as nossas vidas, potenciando processos de autoconhecimento e de maior compreensão sobre os desafios e circunstâncias de vida em que nos possamos encontrar.

É essa mudança de visão e de consciência interna que abre as vias para a cura. Através do fluxo do amor conseguimos colocar as “coisas” nos lugares certos, libertar o que é preciso libertar, e criar dentro de nós o espaço para o novo. Um espaço fértil onde essa nova consciência possa prosperar e trazer as bênçãos que ali, podem agora florescer.

Poder ler mais sobre este evento AQUI.

Data e Local: Domingo, 09 de Agosto de 2018 no Espaço Amar em Lisboa.

Horário: 14h00 às 19h00

Valores:

  • Para Assistir – 15 euros
  • Para Constelar- 35 euros

RESTA APENAS 1 VAGA PARA QUEM QUER CONSTELAR

Ainda há várias vagas para assistentes/ participantes.

Não são necessários conhecimentos prévios em constelações para participar neste workshop.

Para te inscreveres envia-me email para: claudiamachado@claudiamachado.com

CURSO: DESPERTA O TEU POTENCIAL DIVINO

LANÇAMENTO

Partilho hoje contigo, em primeira mão, o lançamento de um trabalho que me está a dar imenso prazer construir. Um curso desenhado para um percurso de 9 meses, numa vertente terapêutica e de autoconsciência e desenvolvimento pessoal, para despertares e viveres em cada vez mais sintonia com o teu propósito de vida.

Encontrar O Propósito de Vida não se resume a um objetivo a atingir. O sentido da vida pode encontrar-se em todo o processo, é um caminho diário, um processo em movimento que morre e renasce inúmeras vezes, é uma forma de estar, de ser e de viver.

Encontras AQUI informação mais detalhada sobre este curso.

Vão ser 9 meses de grande descoberta, com muitas oportunidades para cura e para superação daquilo que tem limitado ou impedido a tua conexão com todo o teu potencial e propósito.

Caso queiras vir, aproveita a campanha para inscrições antecipadas, ficando a totalidade do curso por apenas 490 euros.

Serão 19 sessões, às segundas-feiras das 19h30 às 22h00 no Espaço Amar, duas vezes por mês, sendo que no último mês em Junho existirá uma sessão extra de dia inteiro.

Encontras todas as informações, assim como todas as datas das sessões, AQUI no site.

Para mais informações e/ou marcações, contactar para: claudiamachado@claudiamachado.com

Que tenhas um abençoado e sereno mês de setembro.

E se for caso disso bom regresso ao trabalho, e se vais de férias então tem umas excelentes férias.

Eu por esta altura estou a gozar uns dias de férias na zona de Castelo Branco, estarei mais ausente, mas caso te queiras inscrever em algum evento envia email que muito em breve entro em contacto contigo.

Um forte abraço,

Cláudia

Uma opinião sobre “A Gratidão Na Arte Do Desapego”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s